segunda-feira, abril 30, 2012

Liberados R$ 607 mi para educação pública básica em 9 Estados

[...]

O maior repasse será para a Bahia (R$ 145.544.961,90), seguida do Pará (R$ 142.365.546,92) e do Maranhão (R$ 133.772.350,93). Paraíba é o Estado que receberá a menor complementação (R$ 9.916.319,40).

Leia na íntegra no Portal do Terra.


Grifos feitos pelo blogue.

sexta-feira, abril 27, 2012

 “Quem não sofre preconceito já se posiciona de forma vantajosa na escala social, e quem sofre internaliza a desigualdade, que se perpetua."
Presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto.

Leia a notícia no Portal do MEC

segunda-feira, abril 23, 2012

Dia Nacional da Educação de Surdos


A Lei nº 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira  de Sinais – Libras como meio legal de comunicação e expressão, determinando que sejam garantidas formas institucionalizadas de apoiar seu uso e difusão, bem como a inclusão da disciplina de Libras como parte integrante do currículo nos cursos de formação de professores e de fonoaudiologia. 

Fonte: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf

Educação de surdos em escolas tradicionais ainda é desafio no Brasil

Políticas de inclusão têm tentado corrigir questões históricas no ensino de surdos no Brasil. Excluídos durante muito tempo do processo educativo tradicional, eles começaram, nos últimos anos, a compartilhar as salas com ouvintes em algumas escolas do País. Contudo, a existência de classes mistas, vista como alternativa para integrar crianças e jovens surdos à comunidade, nem sempre funciona. Há relatos negativos, de alunos desmotivados, com dificuldade de aprendizagem e inseridos em ambientes sem infraestrutura adequada. 

Continue lendo no Terra

sexta-feira, abril 20, 2012

Leituras Obrigatórias/Uepa


1ª etapa

1.Humanismo
1.1. Leitura da obra: O pranto de Maria Parda (monólogo), de Gil Vicente.

2. Classicismo
2.1- Leitura do episódio Os doze de Inglaterra; canto VI, estrofes 39 a 69 de Os Lusíadas, de Camões.

3.Barroco
3.1- Leitura de poemas líricos (religiosos e amorosos) e satíricos de Gregório de Matos Guerra.

4. Arcadismo
4.1- Leitura de poemas líricos de Bocage.

2ª etapa

1. Romantismo

1.1 Leitura de poemas de Castro Alves e de Gonçalves Dias

2.1 Realismo e Naturalismo

2. Leitura da obra Contos Realistas:
a)Machado de Assis: Capítulo dos Chapéus, D. Paula e Uma Senhora
b) Eça de Queirós: O Moinho
c) Inglês de Souza: O Rebelde

3ª etapa

1. Simbolismo

1.1 Leitura de poemas Camilo Pessanha

2. Modernismo

2.1. Leitura da obra completa A Legião Estrangeira, de Clarice Lispector
2.2. Leitura da obra Primeira Manhã, de Dalcídio Jurandir
2.3. Leitura da obra A viagem do Elefante, de José Saramago.
2.4. Leitura de poemas de Max Martins


Fonte: Ascom Uepa/Seduc
Foto Destaque

quinta-feira, abril 19, 2012

Dia do Índio

Por que Índios ou Indígenas?

A denominação índio ou indígena, segundo os dicionários da língua portuguesa, significa nativo, natural de um lugar. É também o nome dado aos primeiros habitantes (habitantes nativos) do continente americano, os chamados povos indígenas. Mas esta denominação é o resultado de um mero erro náutico. O navegador italiano Cristóvão Colombo, em nome da Coroa Espanhola, empreendeu uma viagem em 1492 partindo da Espanha rumo às Índias, na época uma região da Ásia. Castigada por fortes tempestades, a frota ficou à deriva por muitos dias até alcançar uma região continental que Colombo imaginou que fossem as Índias, mas que na verdade era o atual continente americano. 

Foi assim que os habitantes encontrados nesse novo continente receberam o apelido genérico de “índios” ou “indígenas” que até hoje conservam. Deste modo, não existe nenhum povo, tribo ou clã com a denominação de índio. Na verdade, cada “índio” pertence a um povo, a uma etnia identificada por uma denominação própria, ou seja, a autodenominação, como o Guarani, o Yanomami etc. Mas também muitos povos recebem nomes vindos de outros povos, como se fosse um apelido, geralmente expressando a característica principal daquele povo do ponto de vista do outro. Ex.: Kulina ou Madjá. Os Kanamari se autodenominam Madjá, mas os outros povos da região do Alto Juruá os chamam de Kanamari.
    
Desde a primeira invasão de Cristóvão Colombo ao continente americano, há mais de 508 anos, a denominação de índios dada aos habitantes nativos dessas terras continua até os dias de hoje. Para muitos brasileiros brancos, a denominação tem um sentido pejorativo, resultado de todo o processo histórico de discriminação e preconceito contra os povos nativos da região. Para eles, o índio representa um ser sem civilização, sem cultura, incapaz, selvagem, preguiçoso, traiçoeiro etc. Para outros ainda, o índio é um ser romântico, protetor das florestas, símbolo da pureza, quase um ser como o das lendas e dos romances.
    
Com o surgimento do movimento indígena organizado a partir da década de 1970, os povos indígenas do Brasil chegaram à conclusão de que era importante manter, aceitar e promover a denominação genérica de índio ou indígena, como uma identidade que une, articula, visibiliza e fortalece todos os povos originários do atual território brasileiro e, principalmente, para demarcar a fronteira étnica e identitária entre eles, enquanto habitantes nativos e originários dessas terras, e aqueles com procedência de outros continentes, como os europeus, os africanos e os asiáticos. A partir disso, o sentido pejorativo de índio foi sendo mudado para outro positivo de identidade multiétnica de todos os povos nativos do continente. De pejorativo passou a uma marca identitária capaz de unir povos historicamente distintos e rivais na luta por direitos e interesses comuns. É neste sentido que hoje todos os índios se tratam como parentes.
[...]
Fonte: Coleção Educação para Todos / Série Vias dos Saberes nº 1, pág.29-30.
            MEC/UNESCO, 2004.

terça-feira, abril 17, 2012

Paulo Freire é declarado o patrono da educação brasileira

O educador e filósofo pernambucano Paulo Freire (1921-1997) passa a ser reconhecido como patrono da educação brasileira. É o que estabelece a Lei nº 12.612, do dia 13 último. Freire dedicou grande parte de sua vida à alfabetização e à educação da população pobre.


Continue lendo no Portal do MEC.

sexta-feira, abril 13, 2012

Institutos federais expõem projetos de acessibilidade


[...]

Libras — Para facilitar a aprendizagem de alunos surdos em sala de aula, o Instituto Federal do Amazonas apresentará uma tabuada na língua brasileira de sinais (libras). Idealizada pela professora Mariê Pinto, da rede estadual de ensino, a tabuada em libras já está na terceira edição, publicada pelo instituto amazonense.

Segundo a professora, a ideia surgiu a partir da própria experiência em sala de aula, ao ensinar matemática a alunos surdos do ensino fundamental. “Eu era professora em uma escola de surdos de Parintins (AM) e ficava angustiada por não encontrar um material específico”, lembra. A tabuada também é adotada no ensino de alunos surdos do instituto.



[...]


Cadeira — Em Pelotas, Rio Grande do Sul, alunos do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense desenvolveram uma cadeira de rodas motorizada, controlada por voz. De acordo com o professor de eletrônica Rafael Galli, que coordenou o desenvolvimento da pesquisa, o projeto partiu dos próprios estudantes, que integram núcleo de desenvolvimento tecnológico conhecido como Laboratório 14. “A ideia surgiu de quatro alunos, e dentro de nossas possibilidades desenvolvemos o protótipo”, afirma Galli. A cadeira obedece a cinco comandos básicos (esquerda, direita, para a frente, para trás e avançar).

Leia na íntegra:

quarta-feira, abril 11, 2012

"Do marxismo ao pós-marxismo?"


Na semana de Göran Therborn no Brasil, sorteio do livro “Do marxismo ao pós-marxismo?”

Göran Therborn vem ao Brasil esta semana, a convite da Boitempo, para o lançamento do livro Do marxismo ao pós-marxismo? Serão três dias de eventos nas capitais de São Paulo, Rio Grande do Sul e Pará: na terça (10/04), a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) recebe Therborn no Teatro TUCARENA; na quarta (11/04) é a vez da Câmara Municipal de Porto Alegre; e na sexta (13/04), o autor se apresenta na Universidade Federal do Pará (UFPA).
Publicamos hoje o texto de orelha escrito por Ruy Braga para o livro, além de um artigo de João Alexandre Peschanski sobre o conceito de ideologia na obra de Göran Therborn, aqui no Blog da Boitempo.
Para divulgar a série de conferências, a Boitempo vai sortear um exemplar do livro Do marxismo ao pós-marxismo?, que o autor vem a lançar. Para concorrer, basta divulgar o link deste post em seu Blog, perfil do Facebook, Twitter, Google + etc. e depois publicar o seu perfil ou blog nos comentários deste post.
O período para concorrer vai até a próxima sexta-feira, dia 13 de abril, quando Göran Therborn realizará a última de suas conferências, em Belém. O resultado será divulgado aqui, na página do Facebook e no perfil do Twitter da Boitempo, às 16h30. Boa sorte!
O livro já está à venda em versão eletrônica (ebook) na Gato Sabido, pelametade do preço do livro impresso.
Todos os eventos são gratuitos e não há necessidade de inscrição prévia.
Confirme presença, convide amigos e compartilhe a página oficial no Facebook de Göran Therborn no Brasil.
Programação completa
10/04 | Terça-feira | 19h30 – São Paulo (SP)
Teatro TUCARENA (PUC-SP)
Rua Ministro Godói, 969 – Perdizes – (11) 3670-8453
Com a presença de Ana Amélia da Silva (Faculdade de Ciências Sociais/PUC-SP) e Ruy Braga (FFLCH/USP e autor do texto de orelha do livro).
Realização: APROPUC, Faculdade de Ciências Sociais da PUC-SP e Boitempo Editorial
Apoio: PUC-SP, NEHTIPO, NEAMP e Teatro TUCARENA.
***
11/04 | Quarta-feira | 19h – Porto Alegreo (RS)
Plenário Otávio Rocha da Câmara Municipal de Porto Alegre
Avenida Loureiro da Silva, 255 – Centro – (51) 3220-4187
Com a presença do Prof. Dr. Marcelo Kunrath da Silva (PPG Sociologia/UFRGS).
Realização: Câmara Municipal de Porto Alegre, Escola do Legislativo Julieta Battistoli, Comissão de Educação, Cultura, Esportes e Juventude (CECE), Seção de Memorial, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRGS, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFRGS e Boitempo Editorial
Apoio: Hotel Everest, Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS e Sindicato Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (CEPERGS)
***
13/04 | Sexta-feira | 17h – Belém (PA)
Auditório José Vicente Miranda Filho do Instituto de Ciências Jurídicas – ICJ da Universidade Federal do Pará (UFPA) – (91) 3201-7211
Com a presença dos professores Fábio Castro (Comunicação) e Marise Morbach (Ciências Políticas).
Realização: Universidade Federal do Pará (UFPA), Pró-Reitoria de Relações Internacionais (PROINTER), Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP), Editora UFPA e Boitempo Editorial.

terça-feira, abril 10, 2012

UEPA/Processos Seletivos 2013: solicitação de isenção a partir de 10/4


Pedidos devem ser feitos pela internet até o dia 4 de maio e entrega de documentação comprobatória junto do formulário de solicitação deve ser feita até 11 de maio. Uepa concede mais de 12 mil isenções esse ano.


Leia na íntegra:


http://www.uepa.br/portal/ascom/ler_detalhe.php?id_noticia=1861238

Conselhos Escolares


"Tudo o que a gente puder fazer no sentido de convocar os que vivem em torno da escola, e dentro da escola, no sentido de participarem, de tomarem um pouco o destino da escola na mão, também. Tudo o que a gente puder fazer nesse sentido é pouco ainda, considerando o trabalho imenso que se põe diante de nós que é o de assumir esse país democraticamente."
Paulo Freire


Saiba mais sobre o Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/ce_gen.pdf

Luis Carlos Rodrigues Viana

Aluno da Turma 203 / Manhã / Deodoro de Mendonça:


Aconteceu algum problema técnico no seu envio. Portanto, faça por e-mail conforme orientado.


Aguardo o resumo.

Vânia Regina Reis Campos


Sobre os conteúdos do 1º ano:

1ª questão (UFPA/2005) – 2,0 pontos -  Em 20 de abril de 1997, alguns rapazes em Brasília atearam fogo no índio pataxó, Galdino Jesus dos Santos, enquanto este dormia. Isso pode ser uma demonstração de que indivíduos ou grupos pertencentes a sociedades diferentes, ou a grupos diferentes, em uma mesma sociedade, em situação de contato, praticam atos negativos e até bárbaros, evidenciando relação de alteridade, que se classifica como

(A) etnocentrismo.
(B) nacionalismo.
(C) nativismo.
(D) evolucionismo.
(E) relativismo.


2ª questão(UFPA/2005) – 2,0 pontos - É comum, nos mais diversos contextos sociais, ouvirem-se expressões negativas fazendo referência a pessoas negras, a exemplo de “Negro quando não suja na entrada, suja na saída”.

O uso dessa expressão associa a sua significação a uma demonstração que evidencia

(A)  o racismo ser apenas uma manifestação simbólica no Brasil.
(B)  uma conduta individual dos sujeitos em contextos sociais diversos, sem preconceito.
(C)  uma igualdade de tratamento racial no Brasil.
(D)  o racismo no Brasil ser somente uma questão econômica.
(E)   uma forma de manifestação de racismo.


3ª questão (UFPA/2009) – 2,0 pontos - Émile Durkheim apresenta como características dos
fatos sociais:

(A)  a coerção, como capacidade de superação do etnocentrismo, e a racionalização da vida em sociedade.
(B) a competição e o conflito, como modos de interação dos seres humanos em sociedade.
(C) a generalidade e o interculturalismo presentes na apreensão de aspectos culturais de diversos grupos sociais.
(D) a exterioridade e a coerção que a sociedade humana exerce sobre os indivíduos.
(E)  as contradições das classes sociais e a particularidade dos processos culturais.

4ª questão (UFPA/2007) – 2,0 pontos - Tendo em vista as análises de Karl Marx e Friedrich Engels sobre o conceito de ideologia, é possível afirmar:

(A)      O conjunto de idéias da classe dominante é, em todas as épocas, o dominante. E quando uma nova classe passa a dominar, ela apresenta o seu interesse como o interesse de todos os membros da sociedade.
(B)      Um dos aparelhos ideológicos que reproduzem valores etnocêntricos das classes sociais dominadas é a educação. E quando a educação formal visa à educação política, há possibilidades de desenvolvimento que não se restrinja ao crescimento econômico.
(C)      A ideologia é determinante do modo de ser, pensar e agir de uma sociedade e possibilita a extinção das particularidades culturais por meio da relativização e da coligação, entre si, dos membros da classe política para se constituírem em grupo homogêneo e solidário.
(D)      A ideologia é uma noção universalmente desejada, pois propõe a neutralidade nas análises do processo de acumulação capitalista em escala global, e é um meio de escolher democraticamente as pessoas encarregadas de tomar decisões.
(E)      Das legitimações básicas do domínio, a liderança para o bem-estar para todos é aquela em que há autoridade pelo dom da graça. Essa liderança consiste na idéia de que a menor intervenção do poder público permite que as forças do livre mercado proporcionem o desenvolvimento e a intensificação das contradições sociais.


5ª questão (UFPA/2008) – 2,0 pontos -  Pode-se dizer que as diferenças culturais existentes na humanidade são explicadas e compreendidas, entre outros fatores, por meio de seus processos de socialização. A escola é um importante espaço desse processo porque 

(A)  proporciona a educação formal, que é um instrumental relevante na manutenção das
realidades socioculturais, uma vez que apenas os membros mais velhos de uma dada sociedade determinam o modo se ser, agir e pensar das novas gerações.
(B)  é possível perceber, no universo da sala de aula, o caráter formal e informal da educação, pois alunos e professores trazem consigo uma bagagem cultural que se manifesta espontaneamente e em situações diversas.
(C)  transmite modelos sociais de comportamento homogêneo, uma vez que as diferenças sociais e culturais entre as pessoas garantem o dinamismo neste processo educativo. 
(D)  busca ampliar ações afirmativas por meio do diálogo com outras identidades, ou seja,
o interculturalismo, baseando-se na eliminação das diferenças socioculturais e reforçando conflitos e disputas pela manutenção ou ampliação de poder.
(E) aprender e ensinar aspectos culturais são processos que se manifestam em momentos e lugares específicos da educação formal, como é o caso do que se processa nas escolas e universidades. 

segunda-feira, abril 02, 2012

AMORA

Atenção Multidisciplinar, Orientação e Respeito para o Autismo.

Postagem sugerida por Giselle Gomes:

Vista-se de azul


No Dia Mundial de Sensibilização para o Autismo, data decretada pela Organização das Nações Unidas (ONU), desde 2008, pedindo mais atenção ao transtorno do espectro autista (nome "oficial" do autismo), cuja incidência em crianças é mais comum e maior do que a soma dos casos de AIDS, câncer e diabetes juntos, saiba mais:

Mitos e verdades sobre o autismo
MITO: os autistas têm mundo próprio.
VERDADE: os autistas têm dificuldades de comunicação, mas mundo próprio de jeito nenhum. O duro é que se comunicar é difícil para eles.
MITO: os autistas são superinteligentes.
VERDADE: assim como as pessoas normais, os autistas têm variações de inteligência. É muito comum inclusive, apresentarem níveis de retardo mental.


MITO: os autistas não gostam de carinho.
VERDADE: todos gostam de carinho, com os autistas não é diferente. Acontece que alguns têm dificuldades com relação à sensação tátil, podem sentir-se sufocados com um abraço, por exemplo. Nesses casos, deve-se ir aos poucos. Querer um abraço, eles querem, a questão é entender as sensações. Procure avisá-los antes de abraçar, prepare-os primeiro. Com o tempo esta fase será dispensada. O carinho faz bem para eles. Assim como faz para nós.


MITO: os autistas gostam de ficar sozinhos.
VERDADE: os autistas gostam de estar com os outros, principalmente quando se sentem bem com as pessoas, mesmo que não participem, gostam de estar perto dos outros. Podem, às vezes, estranhar quando o barulho for excessivo, ou gritar em sinal de satisfação. Quando seus gritos não são compreendidos, muitas vezes pensamos que não estão gostando. Tente interpretar seus gritos.


MITO: os autistas não gostam das pessoas.
VERDADE: os autistas amam sim, só que nem sempre sabem demonstrar isso. Os problemas e dificuldades de comunicação que possuem os impedem de ser tão carinhosos ou expressivos.



MITO: os autistas não entendem nada do que está acontecendo.

VERDADE: os autistas podem estar entendendo sim. Nossa medida de entendimento se dá pela fala, logo, se a pessoa não fala, acreditamos não estar entendendo. Mas, assim como qualquer criança que achamos não estar prestando atenção ou não estar entendendo, de repente a criança aparece com uma "tirada" qualquer e vemos que ela não perdeu nada do que se falou, o autista só tem a desvantagem de não poder falar. Pense bem antes de falar algo perto deles.


MITO: o certo é interná-lo. Afinal, numa instituição saberão como cuidar dele.
VERDADE: toda criança precisa do amor de sua família. A instituição pode ter terapeutas e médicos, mas o autista precisa de mais do que isso.

MITO: ele grita e esperneia porque é mal educado.

VERDADE: o autista não sabe se comunicar, tem medos, tem dificuldades com o novo, prefere a segurança da rotina. Então, um caminho novo ou a saída de um brinquedo leva-o a tentar uma desesperada comunicação, e usam o que sabem melhor, gritar e espernear. Esta fase de gritar e espernear passa, é duro, mas passa. Mesmo que pareça que ele não entenda, diga antes de sair que vai por ali, por aqui. E seja firme em suas decisões. Não ligue para os olhares dos outros, você tem mais o que fazer. Não bata na criança, isto não ajudará em nada, nem a você e nem a ele. Diga com firmeza que precisa ir embora, por exemplo, e mantenha-se firme "por fora", por mais difícil que seja.

notícia publicada no

domingo, abril 01, 2012

Dia Internacional da Mulher na Escola Deodoro de Mendonça

Recesso Escolar



A partir de 16 de abril retornaremos com as postagens sobre ações relacionadas às Turmas de Sociologia. Sobre as novas Turmas. 

Aos alunos/as que concluíram o Ensino Médio, das Turmas:

301 - 302 - 303 - 304 e 305 da Escola Deodoro de Mendonça,

3T1, 3T2 e 3T3 da Escola Magalhães Barata


e

M3TR01 e M2TJ01 da Escola Vilhena Alves,


desejo Boa Sorte, lembrando da sala de aula: "quanto mais estudo, mais sorte tenho".







PS: O que a imagem transmite não me faz bem, mas estou (estamos) à exaustão:

Uma paradinha para revigorar.


Imagens: 
http://elvirando.blogspot.com.br/2010_10_01_archive.html
http://2.bp.blogspot.com/_o6-DwoSOnIc/TIL5TmVnOQI/AAAAAAAAGPY/vSxnc0W3ftw/s1600/sala_aula.jpg